Quem é você, Alasca? - John Green

novembro 22, 2014

TÍTULO: Quem é Você, Alasca?
SÉRIE: -
Autor: John Green
EDITORA: Intrínseca
ANO: 2014
PÁGINAS: 272
ISBN: 9788580575996
Sinopse: Miles Halter leva uma vida sem graça e sem muitas emoções na Flórida. O garoto tem um gosto peculiar: memorizar as últimas palavras de grandes personalidades da história, e uma dessas personalidades, François Rabelais, um escritor do século XV, disse no leito de morte que ia em busca de um Grande Talvez. Para não ter que esperar o próprio fim para encontrar seu Grande Talvez, Miles decide fazer as malas e partir. Ele vai para um internato no ensolarado Alabama, onde conhece Alasca Young. Ela tem em seu livro preferido, O general em seu labirinto, de Gabriel García Márquez, a pergunta para a qual busca incessantemente uma resposta: Como vou sair desse labirinto? Miles se apaixona por Alasca, mesmo sem entendê-la, e o impacto da garota em sua vida é indelével.  (Skoob).
Se você ainda não leu "Quem é você, Alasca?", corra e vá ler agora mesmo. Com certeza este é um daqueles livros memoráveis, repleto de personagens tão próximos que chegam a fazer parte da nossa vida.

Miles, apelidado de "Gordo", é um típico e peculiar adolescente - sim, estas duas características caminham lado a lado - que decide, em busca de seu "Grande Talvez", se mudar do Alabama para cursar o ensino médio no mesmo colégio que seu pai estudou. Desde o comecinho podemos ver que Miles anseia pela oportunidade de fazer história e coletar memórias, como aquelas que seu pai sempre conta e poder se desprender de vez do velho, tímido e esquisito Miles.

Assim que ele chega a Culver Creek - o colégio -, apesar de nada ser como ele imaginava, Miles faz algumas amizades e isso torna sua estadia muito mais interessante e emocionante. Chip é o seu companheiro de quarto e, claro, se torna seu melhor amigo. Alasca é a garota que faz qualquer cara babar, ela é linda, atraente, excêntrica, engraçada e tem um corpo perfeitamente esculpido. Já Takumi, é o garoto asiático legal que está sempre por perto.

Visualizando esta premissa, pode-se concluir erroneamente que este livro é só mais um daqueles que retratam todo o drama do ensino médio, mas engana-se quem pensar e imaginar que é tudo tão simples assim. A busca pelo "Grande Talvez" é uma louca viagem e vale a pena sentar, respirar e embarcar com estes personagens. 

Como em todo e bom "young adult" temos aqui uma pitada de sexo, álcool, cigarros, brincadeiras, risos, trotes, brigas, ciúmes e tudo o que mais couber neste espaço muito louco que é a vida do adolescente. E dentro deste pequeno universo nosso protagonista sente que encontrou o seu espaço e que está cada vez mais próximo de seu objetivo.

O livro é divido em duas partes: o Antes e o Depois. Portanto, fica explícito que um acontecimento é o divisor e nos inícios dos capítulos somos sugados pelo "X dias antes" e devoramos o livro para saber mais e mais. É assim que nos aproximamos dos personagens e vemos os laços de amizade se formando e se fortalecendo a cada dia. Green brinca com o leitor e nos faz refletir por meio de uma história fictícia sobre a importância de cada dia e o quanto devemos buscar viver plenamente, se jogar e não deixar de aproveitar ao máximo tudo e todos que nos rodeia.

Os personagens são intensamente bem criados e foi impossível não amar esse quarteto ou deixar de me ver em pedacinhos deles. Amei-os tanto que chega ser impossível escolher um favorito. Enquanto escrevo este texto estou lembrando de algumas cenas e é impossível não sorrir e sentir saudades. Acho que isso demonstra que eu realmente me envolvi com esta história.

Este livro pode desagradar alguns desavisados, já que ele trata de temas um tanto complexos como religião, culpa, sexo e consequências, mas é tão incrível e real que até mesmo eu que odeio cenas mais explicitas de sexo não me senti incomodada, foi tudo tão natural que chegou a me fazer rir. Outro ponto que devo falar é que senti que John Green exerceu não só o papel de escritor aqui, mas de um professor de filosofia que nos faz aprender sobre a vida e o sofrimento de uma forma lúdica. Ele nos mostra o quanto somo tomados pelo sentimento da invencibilidade quando somos adolescentes.

"Quem é você, Alasca?" está no meu top melhores livros da vida e farei questão de relê-lo daqui a alguns anos para avaliar se houve mudança nas impressões. Com certeza, recomendo a leitura deste livro, sobretudo se você já leu A Culpa é das Estrelas e está buscando algo tão profundo quanto. Neste livro, assim como em ACEDE há uma variação de emoções e aquele quote famoso do "Você vai rir, vai chorar e ainda vai querer mais" do Zusak também faz todo sentido. Algumas vezes eu tive vontade de jogá-lo longe e depois me rastejar para buscá-lo e me confortar em suas próprias páginas. Então, se você ainda não leu, sugiro que corra, pois há uma grande mensagem te aguardando nestas páginas!

*Livro cedido para resenha pela editora.

Você também poderá gostar de:

2 comentários

  1. John Green é um verdadeiro filha da mãe lindo!
    Meu Deus, eu não sei se o amo ou se o odeio! O cara gosta de construir personagens incríveis, complexos e cheios de vida para nos fazer ama-los e depois arranca-los de nós, simples assim. Eu sofro com seus livros em uma mistura agridoce de alegria e tristeza. T_T
    Todos os seus livros (incluindo o que ele escreveu com o David Levithan) estão na minha estante em um lugar bem especial. Quem é vc Alasca eu só tenho com a capa da outra editora e ainda não sei de qual eu gosto mais porque a outra capa tem um quê de especial por ser feita de um material que parece que é emborrachado...mas essa da Intrínseca também é boa e já dá a letra do que esperar da nossa amiga Alasca kkkkk
    Enfim, acho que a Ana já disse tudo na resenha e eu concordo pois o livro é dolorosamente incrível. Super recomendo também!

    Bjs e até!
    Camilinha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hey Camilinha, saudades...
      Ainda não li todos os livro do Green, mas espero conseguir isto em breve. Alasca e Acede, por enquanto, são os meus preferidos.
      Sobre as capas, eu também tenho o emborrachado da Martins, aquele da capa que tem uma garota e acho lindooooo, mas essa capa da Intrínseca tem todo um envolvimento com a história. Depois de ler, esta capa fez muito mais sentido.
      Beijocas e até a próxima!!!

      Excluir

Facebook

Twitter